mastigadesign

#01 Colecção “Os Livros das Três Abelhas”

Posted in Books, Portugal by ghostalking on December 12, 2010

Marco incontornável na introdução de novas linguagens no design de livros das décadas de 50 e 60, a colecção “Os Livros das Três Abelhas” continua a surpreender pela diversidade de qualidade das suas capas. Todo um universo a (re)descobrir.

Do baú sem fundo da edição de livros em Portugal começam a surgir algumas pistas sobre aquilo que de relevante se fez na segunda metade do século XX. A colecção “Os Livros das Três Abelhas” é um dos primeiros exemplos modernos da aposta do mercado editorial no formato dos livros de bolso. Fundada em 1949 por Victor Palla [1922-2006] e José Cardoso Pires [1925-1998] para a editorial Gleba (e depois para a Europa-América), a colecção afirma-se nas décadas de 50 e 60, num contexto onde a televisão dá os primeiros passos (a RTP inicia emissões regulares a partir de 1957), tem lugar a fraude eleitoral de Humberto Delgado (eleições de 1958), e, em 1961,  e estala a guerra colonial (cujo intensificar e arrastar vai levar à queda do regime em 1974).


Colecção Três Abelhas #08 / “Morte de Um Caixeiro Viajante” de Arthur Miller / 4a Edição, Maio 1963, PEA.
Capa de Figueiredo Sobral.

A opção ao nível das capas foi a de não terem qualquer abordagem sistemática (grelha, tipografia, cores). Sendo aquilo que as identificava o marcante  logótipo das três abelhas e a qualidade das ilustrações utilizadas. Espelha-se aqui aliás o conteúdo da própria colecção. As capas foram ilustradas pelo próprio Vitor Palla (de um modo mais intenso nos primeiros anos) e por inúmeros artistas plásticos e também pelo incansável Sebastião Rodrigues.


Colecção Três Abelhas #11 / “A Casa de Bernarda Alba” de Frederico García Lorca / 2a Edição, Out. 1957, PEA.
Capa de Sebastião Rodrigues.

As três abelhas da Mocidade Portuguesa Feminina (Directoras de centro), seguido pelas três abelhas dos primeiros números da colecção (editorial Gleba) e as versões das três abelhas para as Publicações Europa-América.

O logotipo da colecção terá, segundo alguns rumores, surgido como uma sátira a um logotipo usado pela Mocidade Portuguesa Feminina. A sua presença, como marca, é aquilo que identifica a colecção, tendo evoluído de uma forma mais grosseira (nos títulos iniciais) para uma representação posterior mais apurada.

Em cima: Capas para a chancela Gleba, desenhadas por Vitor Palla (#03 #05 #07 #06)
Em Baixo: Capas para a chancela Europa-América (#16 #05 #01 #28).

Os exemplos de capas aqui ilustrados (de alguns dos primeiros de mais de 80 títulos publicados)  mostram bem a diversidade e qualidade das capas. Pela duração temporal da colecção e pelas reedições que foram feitas ao longo dos anos, as capa foram sendo redesenhadas. Aqui temos o exemplo da capa de “O Pão da Mentira” (#05), num desenho de Victor Palla, e a quarta edição de 1964, numa capa de Sebastião Rodrigues.

Quando entrei para a profissão fui para a APA. Aquele ano foi para mim muito intenso. Eu tentava absorver o mais possível. Foi num período em que apareceu um grupo liderado pelo Victor Palla, que fez a grande rotura entre as antigas capas de livro, e as novas feitas pelo Victor Palla. E eu admirava muito o Victor Palla. O Victor Palla era do grupo neo-realista de raiz americana,  e foi das pessoas que mais me influenciou, tanto no aspecto formal como na própria mensagem e grafismo.”

[in Entrevista com Maria Teresa e Victor Manaças, 1986
Reproduzida em «Sebastião Rodrigues • Designer» FCG, 1995]

Já no início da década de 70, surge a mais popular colecção portuguesa de Livros de bolso, a colecção Biblioteca Básica Verbo – Livros RTP (Editorial Verbo, 1970-1972). Um dos factores desse sucesso será a associação à RTP, e também, a marcante imagem criada por Sebastião Rodrigues. Com 100 títulos editados, é um monumental sucesso de vendas, com direito a armário próprio e tudo!

A colecção das três abelhas é nesta altura suplantada pela nova colecção de livros de bolso da Europa-America (onde surgem alguns dos mesmos títulos), cujos primeiros 50 números são bastante interessantes do ponto de vista do design das suas capas.

A esse propósito contava como avançara para os livros de bolso, com a colecção das “3 Abelhas” e viu que a Verbo lhe queria tolher o caminho, conseguindo através de apoio estatal, que a RTP fizesse a promoção das suas edições com anúncios publicitários repetidos diariamente várias vezes.

Não tendo poder para combater tão pesado fogo de artilharia, [Lyon de Castro] resolveu usar de astúcia para com o leitor. Fazia um curto anúncio, mas usando como sinal de distinção a abertura da 5ª Sinfonia de Beethoven, que fora o indicativo da BBC durante a II Guerra Mundial. O título que inaugurava a colecção era “Os Esteiros”, de Soeiro Pereira Gomes. Resultou, o leitor a quem se dirigia percebeu a “piscadela de olho” e a colecção entrou no gosto do público.”

[in «O império da Publicações Europa-América» / António Melo, Jornal Público / 14.04.2004]

 

Lista dos primeiros 25 títulos publicados

01 “A um Deus Desconhecido” de John Steinbeck
02 “O navio dentro da Cidade” de André Kedros
03 “Histórias de Amor” de José Cardoso Pires (compulsivamente “fora do mercado”)
04 “A Cidade do Sossego” de Nicolau Gogol
05 “O Pão da Mentira” de Horace McCoy
06 “O Chapéu de três Bicos” de Pedro António de Alarcón
07 “O Fogo e as Cinzas” de Manuel da Fonseca
08 “Morte de Um Caixeiro Viajante” de Arthur Miller
09 “Os Homens e os Outros” de Elio Vittorini
10 “Se Todos os Homens Quisessem” de Jacques Rémy
11 “A Casa de Bernarda Alba” de Frederico García Lorca
12 “A Baleeira” de João Falcato
13 “O Músico Cego” de Vladimir Korolenko
14 “O Albergue Nocturno” de Máximo Gorki
15 “Fanga” de Alves Redol
16 “A Mãe” de Pearl Buck
17 “Uma Vida” de Guy de Maupassant
18 “Despedida Breve” de José Augusto França
19 “Pecado Mortal” de Mario Soldati
20 “Desejo sob os Ulmeiros” de Eugene O’Neill
21 “Melodia Interrompida” de Boris Pasternak
22 “A Mulher que viveu duas Vezes” de Pierre Boileau e Thomas Narcejac
23 “O Fazendeiro Aguilar” de Enrique Amorim
24 “A Rua do Gato que Pesca” de Yolanda Foldès
25 “O Gavião” de Gianna Manzini

 

+ Leituras + Referências

As escolhas de Jorge Silva Melo @Montag
As três abelhas da MPF @Frenesi
Victor Palla @Tipográfico
O Império das Publicações Europa-América @Público

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: